27 outubro, 2008

PARA RELEMBRAR




NADA COMO ESTAR GRAVADO EM VIDEO, PARA NÃO NOS DEIXAR ESQUECER.
HOJE PODE, EVENTUALMENTE TER GRAÇA, MAS NA ALTURA FEZ COM QUE MUITA TERRA PRODUTIVA, DEIXASSE DE O SER.
A EXCEPÇÃO FOI NO ALENTEJO, AGRICULTURA NÃO EXISTIA, E A JORNA ERA MISERÁVEL




NESTE A EXPLICAÇÃO PARA AS COOPRATIVAS NÃO TEREM FUNCIONADO. PARECE O MESMO, MAS NÃO É




3 comentários:

Anônimo disse...

Pois é o Zé do telhado o Barreirinhas Cunhal, já morreu e cego,DEUS tirou-lhe os olhos, foi incinerado e como só poderia ter sido, para evitar cuspidelas, escarradelas, mijadelas e outros delas, no seu fosso.
Mas as cooperativas da mula, ou do mulo, ainda vão existindo em Portugal e Russia (únicos países onde ainda existem, esta badalhoquice), os roubos, a escravatura, a escravidão a usurpação dos bens e dinheiros alheios.
Pois então há que viver à grande à custa destes ignorantes do campo, (melhor, dos latifundiários vermelhos), que só o são por se tratar de analfabetos.

É inconcebível, que nos tempos de hoje, ainda exista em Portogal disto,mas só poderia ser mesmo em Portugal.

Claras o contestatário disse...

Olá Anónimo

Se quer que lhe diga, não percebi nem uma palavrinha do seu comentário, ou seja, a intenção com que foi feito, a não ser que me tenha escolhido, para fazer uma declaração de princípios
se assim foi, fico-lhe grata por ter sido a eleita.

cumprimentos

Luís Maia disse...

Só agora te respondo, ocupado que tenho andado com outras coisitas.

Isso que publicaste é um belíssimo documento político, que demonstra o que valem as utopias quando passadas à prática, antes do seu tempo, por mais belas que possam ser são irrealizáveis.
Um dia vamos todos ter que pertencer a uma gigantesca cooperativa, quanto mais não seja por uma questão de sobrevivência, mas isso só terá cabimento quando culturalmente atingirmos o patamar de pensar mais no nós que no eu,
Enquanto isso reclamarei sempre por ter a minha própria enxada, mas sobretudo contra aqueles que habilidosamente guardam a dels em casa e se servem da minha.

isto é apenas um pinguinho do que eu penso sobre isso, mas nem tudo cabe aqui.