08 julho, 2008

Sou um coiro esquerdalho



Alto e pára o baile rapaziada, quisto agora é pra doer tocaram cá nos sensíveis do rapaz.

Velhão empedernido mas com a mania que na vida política, nada muda com paninhos quentes, às vezes fico salutarmente bravo.

Quem é fraco e concilia normalmente perde.

Nos meus tempos de mais jovem, quando toda a gente, era revolucionário, dizia-se que só com uma revolução armada se conseguiriaa que o povo mudasse de vida.

Alguns dos mais aguerridos "casaram" mais tarde com a mulher do inimigo e hoje estão bem na vida, tão bem que ocupam cargos de direcção política ou comentadores do pragmatismo, sempre pelo lado dos poderosos

Não quero continuar a defender esse princípio, mas continua a afirmar que quem é fraco e concilia ou cede naquilo que são a simplicidade das suas defesas, será sempre derrotado.

Portanto fique claro, não engano ninguém, eu sou de esquerda e radical, no sentido em que serei sempre crítico quando vejo a esquerda (a minha esquerda) ceder nos seus princípios, nos fundamentos inalienáveis da sua ideologia.

Tudo isto para aberta e amigavelmente questionar a nossa comentadora Carla que há dias aqui afirmou

um Bloco de Esquerda que tanto prometeu e nada faz

que me leva a perguntar-lhe muito simplesmente o que é que acha que o BE prometeu e não fez ? Ou ainda o que é que acha que um partido com 8 deputados no parlamento, pode fazer mais do que ser sistematicamente a formação que mais proposta de lei apresenta todos os anos naquele Orgão.

Proposta rejeitadas naturalmente porque a maioria rosa não gosta delas, mas que levam o JS a afirmar e pelos visto muita gente gosta de repetir, que a oposição não apresenta nenhuma proposta.

Nos debates na Nação vale a pena ver como, Francisco Louçã normalmente senta redondinho no chão sua excelência, com os seus argumentos devidamente fundamentados e bem esquematizados, que não tem resposta, mas deixam Sócrates desesperado, ao ponto de há meses, ter atingido o ridículo de dizer a Louçã. " o senhor deputado não tem idade NEM CURRICULO, para fazer semelhante afirmação"

O senhor engenheiro do diploma "difuso" e dos mamarrachos mal cozinhados, cujos projectos, assinou devia corar de vergonha, quando se confronta com uma personalidade reconhecida internacionalmente na área da Economia.

Comparar currículos é de desmanchar a rir (um dia destes publico-os aqui).

A Carla disse ainda

.mostram que a oposição que ecoa ainda é mais rosa do que outra cor qualquer (pelo menos uma vez por outra Manuel Alegre ainda diz que está vivo)

Foi outra afirmação sua que me doeu, a minha esquerda não é rosa é vermelha, e quanto a Manuel Alegre, figura que prezo bastante, não deixo de lhe dizer, retomando ainda a questão dos princípios, que não posso esquecer-me que Manuel Alegre é deputado da Nação, tem um púlpito para defender os seus princípios se os vir atacados (acho que nem sempre o faz) e tem uma porta para sair, se o tom demasiado esbatido do rosa nas cores do PS o incomodar.

Mas isto sou eu que digo, que sou um velho coiro esquerdalho.

Espero que a Carla não leve a mal este meu post, mas o dialogo nestas coisas da política é fundamental

Saí mais uma bejeca ó SAM, ?





9 comentários:

Claras o contestatário disse...

mas olha que eu hoje, ouvi na televisão, o Louçã, com um dos argumentos mais parvos que ouvi até hoje, a contestar a barragem já não sei de onde, que vai acabar com uma linha férrea que já só está activada para turistas.
pela tuas riquinha saúde.
temos OBRIGATORIAMENTE, de nos tornarmos mais independentes do petróleo, ou será que querem ir para o nuclear?

Luís Maia disse...

Claras

Palavra que não é desculpa, mas não ouvi o que ele disse. Estava a jantar e só percebi que ele estava lá, mas não ouvi.

Não sou Yes, se não gostar do que ouvir serei o primeiro a criticá-lo, sou daqueles que sempre fui mais exigente comigo, com os filhos e com os amigos que com os desconhecidos

xistosa - (josé torres) disse...

Não é só uma linha férrea, pedaços de metal que não é vil, são túneis e uma paisagem que deveria ser protegida, preservada e melhorada, não destruída.

Aqui, deita-se abaixo o antigo ... que é velho ... como as velhas locomotivas que foram para fora, a grande maioria para Inglaterra e lá funcionam em quintas ...
Aproximam-se eleições e no afã de mostrar obra, começa-se a destruir, que não há tempo para mais estudos.

E eu que tinha jurado não me meter em política ...
Não vou colocar-me como anónimo, pois ainda não apareceu por aqui nenhum e era descoberto.
Gosto de olhar para a frente e de frente!

Claras o contestatário disse...

Olá Xistosa

eu sei que tens razão....
mas num momento em que se percebe que nos temos de tornar mais independentes do petróleo, que há tanta gente a querer fazer o nuclear em Portugal, coisa que o PSD está de acordo, não será altura para sacrificar algumas coisas?
os espanhois, têm barragens por tudo quanto é sítio, têm uma agricultura pujante por terem água onde não havia, não querem saber dos caudais dos rios que vêm desaguar em Portugal, não será altura de fazermos nós alguma coisa útil?

beijinho

Carla disse...

Ups, agora até me assustei.
Vamos por partes Louçã é, sem dúvida, uma pessoa competente em termos profissionais e tem provas dadas e confirmadas a esse nível (o mesmo já não podemos dizer do nosso primeiro ministro) ah! já agora também aufere ordenados a esse nível...mas a mim o que me preocupa verdadeiramente é a percentagem de demagogia que encontro no discurso e no programa do Bloco de Esquerda...

Lembra-se das 10 prioridades do Bloco para os primeiros 100 dias do novo Parlamento?
1º Revogar o Pacote Laboral - é só escolher entre as medidas que têm sido implementadas pelo actual Governo e que em tudo têm diminuído, de forma assustadora, aquilo que foram conquistas de Abril para os trabalhadores, basta atentar na perda de regalias desses mesmos trabalhadores a todos os níveis e na precaridade de emprego …
2º Alteração da Lei do Aborto - uma vitória em que reconheço a importância da actuação do BE
3ºReintegração dos Hospitais SA no sector público administrativo - pronto transformaram-se em Entidades Públicas Empresariais (EPE), mas sobre a saúde assistimos ao fecho de urgências hospitalares e de centros de saúde algumas das quais se calhar até justificadas do ponto de vista economicista, mas totalmente descaracterizadas a nível social ( claro que me podem dizer por que raios havemos de manter aberta uma urgência num centro de saúde de uma qualquer freguesia de Bragança a que só ocorrem uma dúzia de pessoas por mês? Lógica a pergunta mas se calhar a resposta passe também por para evitar a desertificação, porque estamos perante locais onde temos meia dúzia de famílias a viver, recorde-se que o mesmo se passa em termos de ensino- e que se não quisermos o interior abandonado é preciso que haja condições para que a fuga para o Litoral não continue a provocar uma sangria ao Interior... e como era preciso cortar nas despesas fecham-se as urgências, mas põem-se helicópteros a funcionar (meios de transporte baratos na aquisição e na manutenção, certamente)!
4º Revisão do PEC - que raio de peso é que nós temos efectivamente na UE para conseguirmos isto???
5º Levantamento do Segredo Bancário a verdade é que os que branqueiam capitais e que fogem com milhões e milhões de euros às suas obrigações fiscais poderão continuar tranquilos que a Lei continuará a não os incomodar.
6º Legalização dos Imigrantes...pois e a sua correcta integração na sociedade?
8º Ensino - Clarificar as regras para os concursos dos professores, aumentar os quadros permanentes nas escolas... o descontentamento dos professores e a Manifestação deste ano devem querer dizer alguma coisa neste sentido
9ºAbrir o acesso à internet (de alguma forma creio que terá sido conseguido) e limitar a concentração na Comunicação Social (esta é mesmo para rir)!
10º Justiça - alguém acredita piamente que as medidas tomadas neste sector (muitas de cariz populista e outras quase como uma revanche contra a classe) ajudam efectivamente a uma melhoria da justiça nacional?
E podia ainda falar no objectivo de optimizar a produtividade para depois fazer a distribuição social, confesso que realisticamente não sei como e depois ainda de algumas das políticas sociais deste governo e que de alguma forma são partilhadas pelo BE e que continuam a apelar a uma postura vitimista, afinal continuamos com a cultura da "mão estendida", nivelando o nosso país "por baixo e financiando os chamados "necessitados", que muitas das vezes preferem não trabalhar (pelo menos de forma legal), logo não contribuindo para a segurança social, nem para o erário público porque é muito mais cómodo continuar a receber transferências do Estado através de Rendimentos de Inserção Social, pro exemplo.

Estes eram objectivos pelos quais se propunham lutar e que consideravam prioritários…pergunto-me que fizeram objectivamente por eles?
Tenho noção que o papel da oposição é ingrato, mas o que lamento é que NÃO haja oposição…eu pelo menos não a sinto, já tenho alguns anos e lembro-me perfeitamente de líderes com o carisma de Sá Carneiro, Álvaro Cunhal, Mário Soares e mais Amaro da Costa do que Freitas do Amaral e sei a diferença que eles podiam fazer…não estou a dizer que fossem perfeitos, mas acredito que deixavam transparecer para a política uma ar de credibilidade que agora não encontro…outros tempos, certamente!
Neste momento não consigo ser de esquerda nem de direita, pelo menos a que se apresenta em Portugal a eleições principalmente porque entendo que apresentam modelos falidos para a realidade que vivemos...
Quanto ao Manuel Alegre tenho que concordar contigo, quem não está bem que se mude, mas eu falei apenas em termos de uma voz que se ouve, nada mais!
Desculpa o abuso com a extensão do comentário e quero apenas dizer-te que admiro essa tua capacidade de continuar a acreditar...infelizmente já a perdi e acho que de alguma forma o BE trouxe ao panorama político essa capacidade eu é que não consigo acreditar...precisava de ouvir falar em medidas concretas e viáveis para o caso de um dia serem Governo, porque o diz que faço não é o mais difícil...´

beijos e vamos lá a uma francesinha aqui à moda do Porto

Severa Mourisca disse...
Este comentário foi removido por um administrador do blog.
Claras o contestatário disse...

Não tens de pedir nada, Luisinho
só tens de o passar se assim entenderes e mais nada.
O blog é de três e cada um faz o que lhe der na real gana
Aqui há Democracia!!!

Luís Maia disse...

Comecemos com a francesinha que é uma coisa que gosto muito e com um abraço de quem acima de tudo preza a troca de impressões.

Naturalmente que alguma demagogia fará sempre parte do discurso político, a realidade não tem expressão imediata no conteúdo do discurso.
Mas realmente não consigo entender a comparação que pretende estabelecer entre as 10 proposta do BE e a concretização dessa, insisto entre um partido com 8 deputado versus maioria absoluta rosa.
Se alguma coisa se pode avançar contra o BE é se deixou cair alguma das proposta nessa 10 medidas e exigir a justificação por esse calar de voz.
releio cada um dos 10 pontos e não vejo motivo para contestar a actuação do BE, por todos eles se bateram e batem, com as forças que têm no parlamento e com a presença nos locais e nas acções que a luta das pessoas o exija
Outra coisa será a Carla não concordar com as posições do BE, como me pareceu acontecer apenas no ponto 4.

Também lhe digo que era o que faltava eu abanar a cabeça e dizer que sim a tudo.

Para já lhe digo que não gosto da postura do Sá Fernandes na câmara de Lisboa, mas também confesso que gostaria de ter mais informação sobre o que ele tem feito no pelouro que inteligentemente o Costa lhe deu

A questão muito sensível do apoio aos menores rendimentos e aos emigrantes é complexa.
Claro que nem o BE, nem eu nem ninguém realmente de esquerda pode hesitar na opção a tomar. mas a exigência de controlo apertado não pode deixar de ser feita, para que os oportunistas não se apropriem do que não lhe pertence.

Continuar a acreditar é cada vez mais uma necessidade, percebe-se que o regime, o sistema (a crise é internacional) está podre, e cada vez mais aperta para o lado mais fraco, para tentar sobreviver.

Eu sei, qualquer pessoa, com sentido histórico sabe, que algo de novo virá e que a partilha de recursos as limitações ao desenvolvimento que as exigências ambientais, vão requerer e tem que aparecer uma nova ordem.

China, India e a Africa, ainda fonte de recursos, vão impor a sua lei, ficaremos a saber como será o Mundo novo muito brevemente.

Brevemente é como quem diz, talvez eu o vejo pelos olhos do meu neto, ou quando regressar.

Desculpas não aceito, escreve sempre o que quiser e acredite que fico com vontade de pedir pra passar o comentário a post

Um abraço

SAM disse...

e uma sandes de coiratos caralhe!!
"Alguns dos mais aguerridos "casaram" mais tarde com a mulher do inimigo e hoje estão bem na vida(...)"
- é com a pichota que se cava, não é com uma enchada! ou inchada?? agora tou confuso...sai uma imperial ófaxavor!