22 agosto, 2008

VICENTE MOURA



Vicente Moura é um grande homem!
A meio dos jogos Olímpicos, quando já se tinham perdido todas as esperanças de se poderem vir a ganhar as quatro medalhas tão faladas, resolveu dizer à Comunicação Social, que se não recandidatava de novo ao cargo que tem, por ser o culpado de nada ter funcionada.
Não aprendeu com Scolari, aquilo que se não deve fazer, ou seja, dizer que se ia embora a meio de um campeonato, seja ele do que for.
Ora agora, depois da medalha de ouro de Nelson Évora, Vicente Moura, além de querer ficar mais quatro anos e de não perceber que já é tempo de dar lugar a outros, disse que estava provado que as quatro medalhas eram possíveis, passando a responsabilidade do "fracasso" para os atletas, lavando as mãos como Pôncio Pilatos.
Penso que alguns atletas devem ter tido culpa de não terem dado o seu máximo.
Mas outros, que não chegaram às medalhas ou que nem sequer se apuraram como Naide Gomes, tentaram com empenho e bateram-se por alcançarem as metas que se tinham proposto.
Houve Melhores.
O Atletismo, sempre ouvi dizer, é uma modalidade extremamente ingrata, porque se trabalha arduamente para um objectivo e basta naquele dia, àquela hora falhar UM dos variadíssimos componentes que fazem de um atleta um Campeão, para se não conseguir chegar ao objectivo.
Que Vicente Moura depois de ter destabilizado todos os atletas que ainda iam competir, se atreva a passar-lhes a culpa, é por si só razão suficiente para sair do cargo.
Que se atreva agora, depois de um atleta ter ganho a medalha de ouro, a considerá-la como da sua responsabilidade, mete nojo
Que dê o dito por não dito, é mais uma vez repugnante
Que saia, caramba! que não seja reconduzido, é o que se pede ao Governo

2 comentários:

Meg disse...

Agora, depois da medalha de ouro?
Isso é que era bom! Dali não sai, dali ninguém o tira, depressa virou o bico ao prego. Tristeza!
Um abraço

Claras o contestatário disse...

Não é?
Um tristeza mesmo